Parlando d'Italia - Bari, uma ponte para o Oriente Médio

18:12:00 Adriana LARA 4 Comments

No litoral do Mar Adriático há belas cidades, porém Bari se destaca por ser um importante centro cultural e comercial da região da Puglia desde a antiguidade. É a segunda cidade mais importante do sul da Itália, famosa por sua culinária e muitas lendas.
Tradicionalmente Bari é considerada a porta de entrada e saída da Europa para a península balcânica e o Oriente Médio. No porto há um intenso movimento de ferries e cruzeiros que chegam e partem para a Albânia, Croácia, Turquia, Grécia e outras localidades da Itália.
Bari tem duas partes distintas: Bari Nuova e Bari Vecchia, mas é o centro histórico que permite mergulhar na história e identidade da cidade para conhecer a verdadeira essência de Bari. Ali se vê pessoas alegres, risonhas e que vivem de maneira simples e autêntica. É onde pode-se ouvir o incompreensível dialeto barese que soa alto nas ruas.



Nessa pitoresca parte da cidade, que mais parece um labirinto de becos e ruelas estreitas, as portas das casas se abrem diretamente para a rua; apenas uma cortina separa a rua da parte interna da casa (foto abaixo). Para evitar o acúmulo de poeira dentro das casas, os moradores sempre estão varrendo e lavando a rua.



Os balcões floridos são verdadeiros jardins suspensos.


Nas ruas as pessoas conversam, cantam, anunciam a venda de polenta frita. É também onde muitas senhoras preparam o orecchiete - a massa típica da Puglia (foto abaixo); a rua é extensão das suas casas. É onde as crianças brincam e os adultos colocam suas cadeiras para descansar. 



Caminhando pelas ruas da velha cidade, passa-se por centenas de arcos. Há inúmeras histórias para cada um deles, porém o mais famoso é popularmente conhecido como Arco do Amor ou Arco da Marvel (foto bem acima), ao qual se atribui uma fantástica história romântica. Dizem que o arco foi construído em apenas uma noite para permitir o encontro de dois amantes.
A Piazza Mercantile era o centro político e comercial da cidade na época medieval. Seus símbolos são o Palazzo del Sedile onde se reuniam os nobres e a Coluna della Giustizia (foto abaixo), uma espécie de pelourinho onde eram amarrados os devedores de impostos na época medieval. Na base da coluna um leão leva no peito a inscrição "Custódio lusticiae" ou guardião da justiça. 



Durante as Cruzadas, Bari era o caminho atravessado por fieis que se dirigiam à Terra Santa e também o ponto de partida e chegada dos Cavaleiros Templários, tornando-se assim uma comunicação com o Oriente. Na época em que a Puglia era dominada pelos bizantinos, Myra na Turquia passou para as mãos dos sarracenos, por isso as relíquias de San Nicola - São Nicolau foram trazidas para Bari. A partir desse fato, Bari se tornou um importante centro do cristianismo. 



A Basílica di San Nicola (foto acima) foi fundada 1087 para guardar os restos mortais do santo. Foi a primeira e maior igreja normanda construída na Puglia e desde a antiguidade é um importante local de peregrinação, tanto para os católicos romanos quanto para cristãos ortodoxos da Europa Oriental. A Igreja Ortodoxa Russa no bairro Carrassi foi construída em 1911 para acolher os peregrinos russos, que vinham até Bari para visitar a Igreja de San Nicola. 



O Castelo Svevo é um dos mais importantes monumentos de Bari e faz parte de sua longa história. A cidade foi um importante elo entre a cultura grega e os territórios do Oriente Médio e, devido à sua posição estratégica, Bari foi marcada no passado pela passagem e pela influência de muitos povos.



Segundo lendas, Bari teria sido fundada perto de 1500 a.C. por Japige, um filho de Dédalo que faz parte da mitologia grega. Teria sido uma colônia da Magna Grécia até 500 a.C. e por um curto período manteve-se como uma cidade livre. Porém o que se sabe é que no século 3 a.C. os romanos conquistaram a cidade, tornando-a um importante centro de comércio.
Chamada de Barium pelos romanos, após a queda do Império Romano a cidade foi invadida sucessivamente por vários povos, até que em 1071 passou a ser governada pelos normandos. Historicamente o Castelo Svevo é atribuído ao Rei normando Ruggero II, que em 1130 expandiu a fortaleza. 
O castelo foi restaurado pelo Imperador Frederick II em 1233 e posteriormente doado à família Sforza que o ampliou. Ali viveu a corte da rainha Isabella d'Aragona e sua filha Bona Sforza nos anos de 1500. No século 19 foi usado como prisão e posteriormente pelo Exército. 
Atualmente o imponente castelo é cercado pelo antigo fosso em três lados, tendo altíssimas muralhas que à noite são destacadas pela iluminação artística. O acesso ao castelo é feito por uma ponte sobre o fosso que leva ao pátio do castelo, onde são realizadas exposições de arte permanentes e temporárias. 
Bari Vecchia sempre foi protegida por muralhas e ainda conserva uma grande parte delas. Sobre as muralhas a Via Venezia (fotos abaixo) permite caminhar e ter uma bela vista do mar Adriático. Abaixo das muralhas, a avenida Lungomare Imperatore Augusto segue toda a orla do centro histórico, onde pode-se desfrutar de uma das mais extensas áreas da costa de Bari. 




Durante dois séculos Bari permaneceu pobre e abandonada, até ser inserida no reino de Nápoles. O planejamento urbano da nova cidade fora do centro histórico começou em 1813. Foi Gioacchino Murat - Rei de Nápoles, cunhado e marechal do Império de Napoleão Bonaparte, quem promulgou o decreto de construção da nova parte cidade. Com a demolição de partes das antigas muralhas da Bari Vecchia, surgiu o atual Corso Vittorio Emanuele que separa a parte velha da parte nova da cidade.  



Chegada em Bari, vista do navio MSC Fantasy



Castelo Svevo







Ruas da bari, com suas casas cheias de flores, as tradicionais roupas penduradas, as vespas que disputam espaço com os pedestres e várias 'capelinhas' com santos, colocadas bem ao alto, que comprovam a religiosidade do povo.


Na Basílica de São Nicolau, com a imagem do Santo ao fundo.


Acima, conforme a guia contou, esses orifícios na parede serviam para observar o movimento no porto e arredores, para possíveis fugas...


Rua na muralha do castelo


Rua de Bari


Eu e meu pai... de costas, minha mãe, que não gosta de aparecer em fotos...



O respeito com os animais: a água sempre pronta para os que têm sede, é encontrada em várias localidades.




4 comentários:

  1. Amei o post, Dri! Uma verdadeira aula... As fotos ficaram lindas e me deixaram com muita vontade de conhecer esse lugar lindo...
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Amiga um sonho né? Amei! Imagino você !

    ResponderExcluir
  3. Uau! que lindo, infelizmente nunca tive a oportunidade de viajar pra fora, quem sabe um dia, rsrsss sua mãe é como a minha que detestava tirar fotos e quase ela também virava as costas rsrsss, linda as suas fotos achei interessante principalmente eles deixarem água para os animais, aqui no Brasil infelizmente isso não acontece, ops raramente.
    E amiga sei que não estou visitando muito seu blog ultimamente + é devido a minha mudança, isto mesmo estou voltando pra perto da minha família, mas breve visitarei + vezes. Um beijão amiga
    http://www.jeitosimplesdeser.com.br/

    ResponderExcluir

Deixem seus comentários! Adoro saber o que vocês pensam sobre as postagens do TdD! bjs